O Amanhecer

Logo após acordar, forçadamente, as nove horas por Carlos, ele me falou que precisávamos voltar a Capital, tínhamos que ir ao apartamento dele e também disse, que não podíamos ficar por fora. Era “perigoso”.

Pouco mais tarde, algo em torno de dez horas da manhã, fomos a cidade… Entramos no carro de Carlos, um Corsa 2016, prateado, ele engatou a marcha ré e voltamos a estrada principal. Estava tudo muito monótono. Eu apenas observava, era estranho, a estrada que a pouco estava congestionada, cheia de veículos, de todos tipos, não havia mais nem um movimento. Expliquei a Carlos, que algo havia de errado, que alguma coisa estava errada.

-Carlos, tem alguma coisa acontecendo!

Estávamos já se aproximando da cidade, a visão melhorava a cada segundo. Os altos prédios da Capital já podiam ser vistos a nossa distância. Já entrando em zona urbana, estranhamos novamente, aquele cenário.

Carlos estava ou melhor, ficava, cada vez mais preocupado. Ele estava nervoso, logo não pode se conter e disse:

-É muito apavorante essa cena, não existe uma alma viva pelas ruas, não avisto ninguém e ainda vejo um AVIÃO caído em um Shopping.

Eu vendo aquele novamente, agora bem próximo, fiquei perplexo, quando de repente Carlos, tentando sintonizar o rádio do carro, capta uma mensagem de voz, uma advertência!

“Atenção! Atenção! Todos os civis do Estado do Rio Grande Do Sul, devem evacuar imediatamente para a cidade de Santa Maria, isso não é uma brincadeira!

Nosso País está em uma situação muito delicada. Estamos sendo ameaçados a sermos atacados por outras nações. A guerra foi declarada hoje, 20 de julho de 2022, ataques são muito previsíveis, não teremos como combater caso “potencias” desejem nos atacar, porem temos a esperança de que a discórdia e disputa de poder entre eles, se volte contra eles mesmos, soprando ao nosso favor.

Portanto fiquem firmes, não percam esperança e venham para o centro de refugiados do Sul, Santa Maria, Tenente, Lucas Machado, desligando.”

-Que droga! Eu não acredito…

Eu fiquei muito apavorado e disse:

-Cara, não pode ser, como isso pode estar acontecendo!

-Não sei, nem acredito que estamos em guerra.

Deste momento em diante fiquei enchendo Carlos com perguntas, e mais perguntas… Todas, sem respostas. Nesse mesmo momento, Carlos olha a frente e vê um animal, um cachorro, em nosso caminho e rapidamente gira a direção em uma manobra agressiva, mas de nada adianta.

Eu percebi que ele estava nervoso, então tentei assumir o volante do carro mas acabamos perdendo o controle e entrando em cheio dentro do shopping, arrombando a entrada do lugar, parando apenas quando uma coluna apareceu bem a nossa frente. Agradeço a Deus pelos “Airbags” funcionais!

Uma fumaça da cor cinza tomou conta do local, tentei me mover, mas minhas pernas doíam muito… Eu mesmo, quando desci, tropecei nos meus próprios pés e caí. Ainda no chão, tentei me localizar e quando olhei em volta fiquei chocado.

Observava a minha frente o mesmo avião comercial de ontem. Ele estava ao menos uns dez metros… Carlos, interrompendo meus pensamentos, fala, agitado.

-Que estrago, Meu Deus!

Eu olho para o lado e vejo algo como uma gaveta, cheia de dinheiro, porém Carlos, não deixou eu pegar nem uma simples notinha de cem Reais!

-Não pegue nada rapaz e vamos sair logo!

Aproveitamos para um descanso e já trocamos algumas ideias.

Estamos saindo agora, minhas pernas ainda doem mas pelo que Carlos disse seu apartamento fica alguns quarteirões daqui, facilitando um pouco. Precisamos ir, estamos perto as onze horas e o sol estará queimando logo… Tudo ocorrendo como esperado, a noite eu volto a escrever.

Anúncios

Noite Agitada!

A noite era fria. O vento rugia freneticamente… Em rajadas continuas e padronizadas. A fogueira era pequena, mas aquecia o bastante e também, lentamente, consumia a madeira já torrada. Em minha volta eu observava, contemplava a bela natureza. Estávamos perto de uma estrada secundaria, onde em nossa volta, a estrada principal perdia-se perto ao mato, alto e denso. As altas arvores completavam o cenário, verde e harmônico. A noite era estrelada, sem luar, apenas iluminada pela leve faísca que aquela pequena fogueira produzira.

Enquanto observava as nuvens, poucas, que vagavam em meio a escuridão, parei me a pensar… Desviei meu olhar a aquele homem, grisalho, que novamente em volta a fogueira, observava-a de cabeça baixa. Ele estava bem vestido. Usava uma roupa casual, camiseta preta que desaparecia diante ao casaco que usava.

Ele tinha um olhar pensativo, que fizera belo par com seu jeito sério… De repente, ele levanta e vindo em minha direção, se aproxima e tocando em meu ombro fala com um tom de voz baixo, forte e meio rouco.

-Eu acho que não nos apresentamos corretamente?

Elevei meu olhar a ele, que com um meio sorriso me observava… Não falei uma só palavra, permaneci sentado. Ele então, continua a falar.

-Meu nome é Carlos. Carlos Antunes, venho aqui de Porto Alegre também, sou jornalista… Ou ao menos era, pois acho que perdi meu emprego.

Ele, com o braço esquerdo erguido, esperava por meu cumprimento. Calmamente.

Eu então já envergonhado, pela minha falta de educação, levantei e cumprimentei-o. Sentei novamente, pois meu joelho me incomodava… Tomando partido, apresentei-me brevemente.

-Meu nome é André. Eu…

Ele me interrompe, e falando diz que me já me conhece. Digo que não lhe conheço. Ele então se explicando, fala que a emissora para onde trabalhava (ou trabalhara), estava planejando uma entrevista comigo, como tema minha carreira.

-Estávamos planejando um quadro especial, sobre artistas em crescimento no mercado nacional.

-Artistas solo… Indies!?

-Sim. Conheço você, André, pois estava em nossa lista… Eu ia contata-lo! Havia terminado algumas pesquisas, enfim…

Tornei a viajar por um momento em meus pensamentos. Então aqueles shows tão amadores do início, a quatro anos, aqueles shows no Rio, em Fortaleza, em São Paulo, haviam valido apena… Quase que por um momento deixo escapar uma lagrima de meus olhos. Era impressionante, era… Tão, gratificante!

Levantei e tornei-me a falar, o interrompendo. Com um gesto rápido, o abracei e o gradeci.

-Obrigado mesmo!

-Você… Você não sabe o quanto isso que… – É gratificante – Eu disse com um sorriso em meu rosto.

-Podemos continuar, sentados. Já não sou tão novo como você. – Pequenos Risos –

Sentamos e esquecemos (ao menos eu esqueci) do mundo afora, da iminente guerra, que dera seu passo inicial. Lentamente o assunto foi acabando e a conversa mudou de rumo. Ele começou a falar de onde era, das notícias não publicadas na mídia… Bastou pouco para eu ficar com uma bola de gelo em meu estomago.

-Nossa, agora tenho certeza que o governo encobre tudo!

Ele respondeu irônico – O mundo não é perfeito – mas já bastou para eu ficar com medo. Quanta coisa escondem, seja para não causar temor a população, para não causar caos, por questões políticas, econômicas… Caraca! Fiquei indignado.

Pensei comigo mesmo – Ferrou tudo! ESTAMOS PERDIDOS! – As ameaças, e mais ameaças… A bomba da Coreia do Norte no Brasil… O pré-sal… Isso tudo é uma pitada do que aconteceu… Do que está por vir… Interrompendo meus pensamentos, Carlos, volta a falar. Em um tom de voz mais alto, e meio Indignado.

-Você não viu nada! A bomba é aponta do iceberg. Os saques na Europa. Os protestos nos EUA. As tropas americanas na Ásia.

-O Rio de Janeiro, está fora de controle! A bomba, que atingiu parte de “Itaipu”, causou apagões não apenas aqui… Metade do Rio Grande do Sul está no escuro… O Paraguai está no escuro! Estamos com problemas com a Argentina e Uruguai.

-“Pequeno porte!” Nossa… Droga.

Ele faz uma pausa, olha aos meus pés, e logo, torna a falar novamente.

-Risos Irônicos – Colega. Você está enganado. Foi uma explosão termonuclear, a mídia encobriu. Segurança nacional. Fomos salvos apenas pelo vento. Essa ventania, esse frio. Agradeça.

-Deus me perdoe por dizer isto, mas, que povo mais estupido… Norte Coreanos. Passam mentindo, quando… Nossa!

Minha cabeça girava… Minha imaginação, tão fértil, trabalhava loucamente. Levantei, e por um momento fiquei imaginando bobagens. Tentando esquecer de tudo.

Eu sentia. Eu podia ver claramente, que Carlos esperava aquele momento, ele precisava partilhar as informações… Precisava desabafar!

Carlos, já vermelho de tanto falar, e eu aqui, mergulhado em pensamentos. De repente, Carlos para e um silencio sepulcral se forma. De fundo, algo como pás de um ventilador, girando, mecanicamente, continuamente.

A cada minuto que passou, um helicóptero passava ao fundo, e demorei a entender que era melhor ficar apenas observando.

Ao fundo, no horizonte, em meio a escura Porto Alegre, uma luz, CHAMAS!

Fiquei roxo, após pasmo, ao ver que era um avião comercial. Aos poucos, ele foi perdendo altitude e em um segundo, juntou-se ao pó.
Em meio a um clarão, e uma série de pequenos tremores e estrondos, ele tocou o solo. Não houve um segundo, os pássaros voavam desesperados, e quando percebi… Neste momento, muitos veículos surgiram na então abandonada Free-Way. Veículos militares pelo som. Era ruído de helicópteros, era algo como esteiras, carros…
Já sem palavras, virei, pasmo, apavorado e quando percebi, Carlos, me encarava. Ele não movia um musculo, não piscava e de repente, disse algo que fez minhas pernas bambearem.

-Santo Deus! ESTAMOS EM GUERRA!

Não sei se vou poder dormir. Estou preocupado, minhas mãos tremem… Escrevo em meio ao breu da noite. Carlos, ronca. Acho melhor deitar, estou prevendo um longo dia amanhã.

Só Deus sabe o que está por vir.
Que, ELE, nos guarde!
Amém.

 


 

OBS: Por favor não deixem de comentar ou opinar, para que possamos melhorar cada vez mais! Obrigado.

Breves Saudações!

Olá, meu nome MarsGamesBR e estou muito feliz por estar participando deste blog xD. Ah é… Já ia me esquecendo de te dar as boas-vindas, eu e John51 agradecemos sua visita. Perdoe-me pela minha falta de educação.
Bom… Agora sem perder mais tempo, trazemos a vocês o primeiro de muitos episódios que postaremos uma vez a cada semana, formando uma grande história!

A vocês eu apresento a “Guerra das Nações” que sem revelar muitos spoilers, eu lhes digo que se trata do seguinte: O mundo está tomado pelo caos, pela fome, pelas novas epidemias, discórdias e conflitos internacionais causados pela a tão esperada e temida “Terceira Guerra Mundial” e um músico falido que acaba descobrindo informações muito valiosas, a história que jamais foi contada. Então acompanhe essa história épica, espero que goste e se puder nos ajude a divulgar o site, valeu!

Um Abraço 😉

Não sei como será a terceira Guerra Mundial, mas posso te dizer como será a Quarta: Com paus e pedras. – Albert Einstein

Guerra das Nações